Formação do Aluno para a Vida


Quando te perguntam para imaginar uma sala de aula, o que aparece na sua cabeça? Uma lousa, cadeiras enfileiradas e um professor à frente da sala?


Esse tipo de sala de aula que todo mundo conhece faz parte do método tradicional de ensino. Esse método foi criado no século XIX com o intuito de ampliar o acesso à educação, e consequentemente, universalizar o conhecimento para a população. A intenção era fazer com que as pessoas recebessem uma formação profissional, ou seja, para que pudessem exercer alguma função no mercado de trabalho.


Nesse método, o professor é o detentor do conhecimento, assim, quem está no centro da aprendizagem é o próprio professor. E o aluno? O aluno é um indivíduo que precisa aprender com o professor, para só assim, adquirir os conhecimentos. Normalmente, as aulas são expositivas dialogadas, evita-se o uso de tecnologias e inovação e são feitos muitos exercícios de repetição para que o conteúdo seja memorizado.


Bom, esse modelo a gente conhece bem, né? A maioria das escolas – mesmo sendo um método criado no século XIX – insistem em utilizá-lo. Talvez você ainda estude e tenha contato com esse tipo de educação.


Mas calma, o tempo foi passando e novas metodologias foram pensadas. E agora, tãn nãn, vamos tratar das queridas e famosas metodologias ativas