© 2019  FLY EDUCAÇÃO E CULTURA.

  • Facebook Basic Black
  • Black Instagram Icon
  • Black LinkedIn Icon

October 11, 2019

Please reload

Posts Recentes

Líderes empáticos: por que o futuro é deles?

September 18, 2019

1/8
Please reload

Posts Em Destaque

Educação Inovadora

February 15, 2017

Como estudante de teatro dentro de uma universidade particular, e estudando assuntos como a psicologia da aprendizagem, posso dizer que: a educação no Brasil está muito atrasada. 

 

O modelo da pedagogia tradicional que é aplicado na maioria das escolas não se adequa mais ao mundo atual. Nós vivemos em constante transformação, tanto de gerações, quanto de tecnologia e novas metodologias pedagógicas. A área da educação é a que mais precisa acompanhar estas mudanças, pois ela faz parte do desenvolvimento do ser humano, e é dentro da escola que se formam indivíduos pensantes e com opiniões e ações para com a sociedade. Não é à toa que 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos abandonam a escola nos últimos 10 anos. E os motivos principais são a falta de interesse, a baixa qualidade de ensino, e a pouca flexibilidade de escolha. 

 

À partir desses dados, existem pessoas com a cabeça fervilhando de novas ideias para transformar a educação no Brasil, mostrando que é possível algo desinteressante ser muito mais atraente e inovador. Essas mudanças fazem os alunos quererem ir para a escola, pois o ambiente escolar se torna um lugar onde os alunos têm voz, liberdade de expressão, e abertura para serem eles mesmos. 

 

“[A escola] precisa abrir mão de muitos mecanismos que são contrários à emancipação, como as aulas fechadas (no espaço e no tempo), as turmas isoladas, as provas como sinônimo de avaliação, os mecanismos punitivos e repressivos como advertência, suspensão e expulsão etc., precisa dar voz de fato para todos os agentes da comunidade”, afirma Osvaldo Souza, professor da Escola Politeia, localizada em São Paulo (SP), em entrevista ao Hypeness.

 

Quando o professor se coloca junto aos alunos no quesito aprender/ensinar, a relação de troca de conhecimentos e experiências se torna muito mais produtiva. O professor não cria aquela imagem de poder sobre os alunos, e sim de união, pois assim os alunos se sentem à vontade para perguntar e discutir ideias, cada um no seu ritmo e limitações. Nessas escolas de educação inovadora, os alunos podem criar projetos, estudar assuntos que realmente tenham interesse, pode surgir grandes pesquisadores e apaixonados pela profissão escolhida, pois eles têm a chance de experimentar todos os caminhos para o futuro. Além de valorizarem e participarem das decisões da vida em comunidade, que é essencial para o convívio em sociedade. 

 

Aos apaixonados por arte, como eu, quem nunca se perguntou para que iria usar matemática, física e química? Apenas para prestar uma prova chamada vestibular, que define o que você vai fazer para o resto da sua vida, o que não faz sentido algum. Nós dedicamos anos estudando coisas que não queremos fazer, que muitas vezes temos dificuldades, e ninguém se importa, pois na escola somos tratados como máquinas de aprender. O aluno termina a escola sabendo todas as fórmulas físicas de como calcular uma parábola, mas não tem opinião política formada. Não sabe nem o que é democracia, que é exatamente o poder de escolher o que ele quer fazer da vida. 

 

As escolas de ensino inovador são a solução para essa geração de profissionais infelizes que vemos muito hoje em dia. Eles formam pessoas mais criativas e produtivas, exploram talentos individualmente, e principalmente, criam seres humanos que questionam. O ato de perguntar sobre tudo, é o que faz as pessoas serem mais inteligentes e mais curiosas para aprender. Pessoas que não tem medo de errar, pois não há certo e errado. De acordo com o educador inglês Ken Robinson,  “Quando finalmente se tornam adultas, a maioria das crianças já perdeu essa capacidade. Elas adquirem verdadeiro pavor de errar […] e o resultado é que estamos produzindo indivíduos desprovidos de criatividade”, afirma durante uma palestra no TED. 

 

Os educadores precisam se atualizar. Não há motivos separar o conhecimento em inúmeras áreas quando tudo está conectado. Artes e matemática podem ser ensinados juntos, basta a escola querer mudar. Inovar é possível. Apesar das dificuldades, as escolas com propostas inovadoras existem pelo Brasil fazendo essa mudança e abrindo novas possibilidades para o aprendizado. O caminho para essa educação inovadora é longo, mas aos poucos está tomando grandes proporções, o que nos dá motivos para continuar buscando e inovando através dos jovens que chegam cada vez mais curiosos e com vontade de mudar.

Share on Facebook
Share on Twitter