© 2019  FLY EDUCAÇÃO E CULTURA.

  • Facebook Basic Black
  • Black Instagram Icon
  • Black LinkedIn Icon

October 11, 2019

Please reload

Posts Recentes

Líderes empáticos: por que o futuro é deles?

September 18, 2019

1/8
Please reload

Posts Em Destaque

Comunicação Não Violenta e por que você precisa conhecê-la

May 15, 2018

 

Eu ouvi falar do livro Comunicação Não Violenta, de Marshall Rosemberg, há menos de um ano. Vi ele em uma livraria, na parte de Marketing, eu estava com tempo e o título me chamou a atenção. Depois pesquisei sobre e, sim, realmente parecia ser um livro bastante interessante. Aliás, era e continuará sendo. Lembro que assim terminei de ler o primeiro capítulo, pensei que ter encontrado aquele fio de meada, que buscava durante tanto tempo mas nem sabia o nome. Só que apesar de tudo isso, ainda não me sentia motivada o suficiente para ler e me aprofundar, naquele momento.

 

Algum tempo se passou e tive que lidar com algumas questões pessoais, estava precisando de alguma luz e me veio novamente a Comunicação Não Violenta. De alguma forma, eu sentia que as circunstâncias cada vez mais estavam me levando na direção de ler. Ainda assim, eu tinha minhas resistências, porque no fundo, parecia uma forma tão perfeita de enxergar o mundo, que quase beirava a utopia. Recebi a luz que precisava, e muito mais! Era definitivamente, a maneira que eu sempre precisei ter para lidar com certos aspectos da vida e melhorar meus relacionamentos, e - atrevo-me a generalizar - precisamos todos.

 

Um jeito mais tranquilo, “preto no branco” e ao mesmo tempo capaz de gerar os mais eficientes resultados sobre qualquer coisa. O que parece inusitado para muitos, que pensam que a vida só funciona quando você se angustia e tenta controlar tudo - enquanto que isso é exatamente o que a impede de funcionar. Percebi que tinha ignorado completamente aquelas histórias do primeiro capítulo, que demonstravam como a Comunicação Não Violenta conseguiu dar novos rumos para algumas situações já dadas como perdidas. Só que agora, parecia que eu também tinha algo para compartilhar, mesmo tendo lido apenas uma vez.

 

Eu tenho passeado novamente por cada capítulo que esteja precisando trabalhar com mais afinco e tenho marcado trechos que julgo aplicáveis nas situações atuais. A Comunicação Não Violenta é simples, mas não é fácil. É simples porque é intuitiva, não é um método complexo construído do nada mas fruto das buscas do Marshall em conhecimentos já existentes na tentativa de nos fazer voltar a uma forma mais compassiva de viver. Mais "natural", para quem crê que somos naturalmente não violentos. Mas é difícil, porque é um treino constante para sair do automático, estar presente e focar a atenção em aspectos que aumentarão as chances de conseguir o que se quer.

 

No Brasil, um dos únicos instrutores certificados é o Dominic Barter, que viaja oferecendo treinamentos sobre o tema. Faz muitos anos que não vem a Recife, onde moro, mas estará aqui esta semana para uma apresentação, e terei a oportunidade de participar e conhecê-lo pessoalmente. Penso que somos programados por décadas a não agir com empatia e compaixão com os outros e, principalmente, com nós mesmos. E eu tenho conseguido utilizar essas dicas em diversas situações. Porque onde existir uma relação humana, ali poderá ser aplicada a Comunicação Não Violenta.

Share on Facebook
Share on Twitter